Você estava jogando sua pelada e vai chutar a uma bola ou estava praticando o treino de corrida e vai dar um “Sprint” e “boom”. Sente uma fisgada súbita na panturrilha, semelhante a uma pedrada.

Parece que da para continuar no esporte, mas, a cada metro caminhado, a dor vai aumentando até que realmente não dá mais para andar.

Sim.Você acabou de sofrer uma lesão muscular na panturrilha!

 

Como já escrevi em outros artigos informativos, os músculos da panturrilha (assim como qualquer grupo muscular) estão sujeitos a uma ruptura quando são  sumetidos a trabalho acima de seus limites fisiológicos, especialmente se outros fatores estão envolvidos, tais como, condições meteorológicas (muito frio ou muito calor na temperatura ambiente),aquecimentos inadequados e fadiga muscular .

 

A lesão ocorre por que, durante o gesto esportivo de frear, o grupo muscular anterior da perna se contrai vigorosamente objetivando força, trazendo para si o tornozelo e o grupo posterior, a panturrilha estica-se contra a resistência, objetivando modular o movimento. A isso chamamos de ” contração excêntrica “. Neste momento, por nao resistir a força se rompe.

Uma vez lesionado, o esportista se vê em um quadro de dor que vai se agravando com o passar dos dias e muitas duvidas vão surgindo.

Mas, calma. Tratando de maneira correta, a lesão tende a ter evolução muito boa.

Seguem abaixo algumas dicas de 5 coisas que você jamais deve fazer:

 

  1. Deixar de procurar um medico

Procure sempre auxilio médico.Preferencialmente de um médico que tenha conhecimento em traumatologia do esporte.

Além de fazer o diagnostico e graduar a lesão, o profissional também descartará ou lesões que mimetizam a lesão muscular como síndrome compartimental, caibras, tumores e probleblas vasculares, como a síndrome do aprisionamento da artéria Poplitea, por exemplo.

 

  1. Voltar a treinar sem orientações

Dependendo do grau da lesão, a melhoria da dor e contratura vem dentro de 1 semana  é comum o esportista se sentir apto a voltar ao exporte. Aí que mora o perigo!

A cicatriz da lesão pode estar imatura e “boom”: a temida re-lesão.

Lembrando que, quanto maior o numero de novos traumas na cicatriz, mais inelástico vai ficando o músculo e, consequentemente, pior o prognostico a longo prazo.

3. Fazer compressa quente

Na fase aguda da lesão (primeiros dias e semanas) , fazer compressas mornas pode levar à vasodilatação local, com consequente aumento do hematoma, agravo da reação inflamatória local e, consequentemente, aumento da dor e disfunção do membro.

  1. Realizar alongamento

É muito comum o esportista achar que aquela “fisgada”deve-se ao fato de nao ter alongado corretamente antes do exporte e tentar alongar para ver se melhora.

O alongamento mau orientado vai tracionar uma área lesionada e o resultado, obviamente será de um agravo da lesão.

 

  1. Trocar a sua modalidade esportiva

Também muito comum o esportista achar que a fisgada é apenas uma contractura e que correr, pedalar ou fazer musculação vai “soltar”o músculo. Isso pode tanto agravar a lesão, quanto aumentar o hematoma.

Saiba mais!

 

Entenda a biologia da lesão muscular.

Entenda sobre lesão muscular da panturrilha.

8 sinais de que você está prestes a ter uma lesão muscular.

Artigos similares