Dr. Adriano Leonardi

Artigos

Protese quadril_Dr Adriano Leonardi_Especialista do Joelho

A artrose de quadril e retorno ao esporte em pacientes jovens

A osteoartrite do quadril ou coxartrose é uma doença caracterizada pelo desgaste articular da articulação do quadril. Em geral, além de afastar o indivíduo do esporte, pode ser extremamente incapacitante, muitas vezes exigindo tratamento cirúrgico precoce.

A imagem mostra a diferença entre uma articulação do quadril sadia e acometida por artrose

A imagem mostra a diferença entre uma articulação do quadril sadia e acometida por artrose

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estima-se que 21 milhões de pessoas possuem a doença nos Estados Unidos.
Nos indivíduos jovens, é causada por seqüelas de traumas de alta energia, osteonecrose (perda da circulação da cabeça do fêmur), principalmente na infancia, seqüelas de infecções ou formas graves doenças auto-imunes.
Nos idosos, assim como qualquer articulação, esta ligada a degeneração geneticamente determinada e desenvolvida ao longo dos anos.
Os primeiros sintomas da coxartrose geralmente se manifestam como dor na virilha, localizada profundamente. Pode haver irradiação até o joelho pela parte interna e pela frente da coxa.

 

Nao consigo mais praticar esportes!

dor no quadril em pacientes jovens

Dor no quadril em pacientes jovens

O início da doença é caracterizada pela dor que aparece na virilha ou região lateral após atividades físicas mais intensas. Com repouso e o “corpo frio”, a dor surge como pontadas. Após alguns passos o desconforto melhora. Este estágio geralmente se prolonga por muitos anos e a piora ocorre lentamente.

 

Na evolução a dor pode aparecer durante as atividades da vida diária e existe real comprometimento da performance esportiva. Movimentos como calçar sapatos, cortar as unhas dos pés, entrar e sair do carro, começam a se tornar um pouco mais difíceis, devido a perda do movimento articular. Com a piora do quadro, as dores noturnas e a rigidez matinal surgem. Nesta fase já mais avançada, começa a perda real da qualidade de vida, quando a pessoa deixa de fazer o que lhe dava prazer.

 

Tratamento

O tratamento da artrose de quadril, assim como de outras articulações deve ser individualizado, de acordo com o grau da doença e com as expectativas, modalidade esportiva e necessidades de cada paciente.

Inicia-se o tratamento com fisioterapia e, se possível com hidroterapia, procurando fortalecer a musculatura regional e manter o arco de movimento. Exercícios de impacto devem ser evitados. A perda de peso também tem papel importante no tratamento, haja visto que o quadril suporta múltiplos do peso corpóreo.

A decisão de quando submeter-se a um tratamento cirúrgico deve ser tomada pelo paciente em conjunto com seu cirurgião, ao analisar os prós e contras de cada opção.

O tratamento cirúrgico mais comumente indicado é a protese total de quadril. Atualmente existem inúmeros modelos de prótese, que em sua maioria, utilizam como material básico uma liga metálica (titânio ou cromo-cobalto), o polietileno e a cerâmica. A fixação da prótese pode ser realizada por cimento ou outros mecanismos de fixação (não cimentada). A indicação de usar um determinado modelo de prótese depende de fatores como a idade do paciente, o tipo de doença que ocasionou a destruição da articulação coxofemoral, a qualidade do osso e a experiência do cirurgião .

 

Retorno ao esporte

Ao contrário do que a grande maioria dos pacientes pensa, o retorno ao esporte após a prótese de quadril é possível. Segundo alguns autores, ela acontece em cerca de 50% a 80% dos pacientes . Segundo esses autores, o retorno à atividade física é diretamente influenciado pela redução considerável na dor.

 

Que exercícios evitar?

Nós ortopedistas somos unanimes que exercícios de alto impacto como a corrida de rua, corrida de montanha, futebol e volei devem ser evitados pois representam o dobro do risco de fratura ou falha dos componentes da prótese, quando comparados com os que participam de atividades de baixo impacto.

Estudos mostram que problemas na prótese devido a atividades de alto impacto surgem em 10 anos, em media após a cirurgia, sendo muitas vezes necessário refazer a cirurgia com potencial risco de complicações.
Apesar das orientações quanto aos cuidados nas atividades de vida diária, a recolocação da prótese ocasionada por soltura, danos ou fratura de algum componente da prótese ocorre em apenas 14,3% do total de pacientes. Esse dado reforça ainda mais a necessidade de orientação para um retorno e a manutenção saudável e segura da atividade física, esportiva ou de lazer. Ao seguir o que o ortopedista te orienta, reduz-se a possibilidade de participação em atividade inadequada ou que possa ocasionar danos futuros aos componentes da prótese.

 

dr-adriano-leonardi-especialista-do-joelhoDR. ADRIANO LEONARDI

Médico ortopedista especialista em traumatologia do esporte e cirurgia do joelho. Médico e fisiologista do esporte. Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Ambientes Remotos e Esportes de Aventura. + Conheça o Profissional

Comente