As lesões dos meniscos são muito frequente nos esportes , principalmente entre os atletas que praticam esportes de contato ou qualquer esporte que envolva torção do joelho. Rupturas meniscais freqüentemente ocorrem em conjnto a outras lesões no joelho – mais freqüentemente junto com a lesão do ligamento cruzado anterior (LCA).

 Os menisco sao estruturas fibro-cartilaginosas e tem basicamente a função de amortecer forças aplicadas ao joelho em todo o arco de movimento. Ou seja, quando você corre, pedala ou faz um drible jogando futebol, o menisco “amortece”e distribui melhor seu peso para que nao haja sobrecarga na cartilagem articular.

Classicamente, quando lesionados, os menscos causam sintomas característicos como dor bem localizada com períodos de alivio e agravo a determinados movimentos como agachar e cruzar as pernas, inchaço, e bloqueio (travamento). É aquela dor na região de dentro ou de fora do joelho que tem períodos de melhoria e piora e que, muitas vezes, obriga o paciente a dormir com uma almofada entre as pernas.

Historicamente, o tratamento das lesões meniscais era a retirada de pedaços ou ate mesmo do todo o menisco. Tecnica denominada meniscectomia. Isso ocorria porque nao se tinha ideia da importancia do menisco para a função do joelho e de sua intima relacao com a cartilagem articular. O resultado destes procedimentos amplamente realizados, principalmente nos anos 90 e ate a metade dos anos 2000 é de uma grande quantidade de pessoas com graus variaveis de artrose.

De lá para cá, o consenso mundial hoje é que deve-se ao máximo preservar o menisco em pacientes jovens com lesões extensas e nos casos em que ha desvio de eixo(pernas tortas), pois estes casos podem evoluir mais rápido para degeneração (desgaste) e se tornarem de difícil tratamento. Isso, especialmente em pacintes jovens que sofreram lesão traumática ha pouco tempo.

O desenvolmento de técnicas novas de sutura, incluindo fios e dardos absorvíveis facilitou muito a indicação do procedimento que, hoje se estende a lesões localizadas em área de baixa vascularização (também chamada zona branca).

Hoje, a retirada de pedaços do menisco fica restrita a uma pequena parcela dos pacientes, principalmente aqueles que tem a chamada lesão degenerativa, comum em indivíduos com mais de 40 anos.

O procedimento é feito por artroscopia, na qual o cirurgiao visualiza e manipula a estrutura atraves de portais (pequenos furinhos da regiao anterior do joelho).

Existem inumeras tecnicas, marcas e dispositivos de sutura para que seja realizada.

Ao terminar, o cirurgiao testa a estabilidade do menisco. Estando firme, fecha-se os portais e inicia-se o period pos-operatorio.

 

 

Imagem mostra a sutura (costura) do menisco pela técnica inside-out

 

 

 

 

 

 

 

Como é o período pós-operatorio?

Costuma ser uma pouco mais “chatinho” quando comparado `a meniscectomia (limpeza meniscal) pelo fato de se manter o par de muletas pelo período de 06 semanas.

Neste período, o fisioterapeuta realiza a eletro-estimulaçao do musculo quadríceps, mantem o arco de movimento e analgesia. Apos as 6 semanas, da-se sequencia ao ganho de força e agilidade, direcionados ao esporte e o retorno `as atividades físicas da-se de 4 a 6 meses.

Infelizmente, nos casos em que a cicatrização nao ocorre, uma nova artroscopia é necessária para se retirar o fragmento lesionado, seguido da reabilitação tradicional e retorno ao esporte.

 

Referencias bibliográficas

 

  1. Fairbank, T.J. Knee Joint changes after Meniscectomy. J Bone Joint Surg 30B:4 664-671 1948
  2. Fauno, P. and Nielsen, M.D. Arthroscopic Partial Meniscectomy: A Long-term Follow-up. Arthroscopy 8:3 345-349 1992
  3. Arnoczky, S.P. and Warren, R.F. Microvasculature of the Human Meniscus. Am J Sports Med. 10:2 90-95 1982
  4. Henning, C.H.m Lynch, M,A, et al. Arthroscopic Meniscal Repair Using an Exogenous Fibrin Clot. Clin. Orthop 252:65-72 March 1990
  5. Dilworth Cannon, W. and Vittori, J.M. The Incidence of Healing in Arthroscopic Meniscal Repairs in Anterior Cruciate Ligament-Reconstructed Knees versus Stable Knees. Am J Sports Med. 20:2 177-181 1992
  6. Tenuta, J.J. and Arciero, R.A. Arthroscopic Evaluation of Meniscal Repairs – Factors that effect healing. Am J Sports Med. 22:6 797-802 1994

 

Artigos similares