Dr. Adriano Leonardi

Artigos

Joelho da corredora - Dr Adriano Leonardi - Especialista do Joelho

O joelho da corredora

Vencendo barreiras!

A quantidade de mulheres que ingressam na corrida de rua tem aumentado de maneira crescente. Desde que a americana, Kathrine Switzer, correu a Maratona de Boston em 1967, disfarçada de homem, e quebrou o tabu, de que as mulheres “não tinham força e resistência para correr os 42.195 metros”, as mulheres não pararam mais de aderir ao movimento de saúde e qualidade de vida, através da caminhada e corrida. Aliado à isso, o surgimento de assessorias e campeonatos focadas no sexo feminino nos últimos 10 anos, sem dúvida fomentam esta explosão de corredoras nas ruas.

Segundo o site Running USA, as mulheres já representam 53% dos corredores. O número foi apresentado no 19º Congresso Mundial da AIMS (Associação de Maratonas Internacionais e Corridas de Distância) em Praga, República Checa, que aconteceu de 10 a 12 de maio de 2012.

 

high heelsEstudos publicados nos últimos 20 anos mostram que as mulheres não apenas
estão se lesionando, mas que o fazem em taxas absurdamente maior que os homens.  Para a corrida de rua, esta proporção de lesão no joelho extrapola o índice de 1 homem para 7 lesões mulheres lesionadas para a mesma intensidade e volume dos treinos. Mas, por que isso ocorreria? Seria o uso do salto alto, força muscular reduzida? Anatomia?

 

+ Preparando os joelhos para a corrida em 7 passos!

 

Por que a mulher é mais suscetível ?

Autores que  estudam a mulher corredora afirmam que as atletas exibiriam um tempo de recrutamento de grupos musculares mais prolongado que os observados em homens e  que isso poderia afetar a dinâmica de diversas articulações, principalmente do joelho. De maneira mais didática, isso significa que, em uma aterrizagem do vôlei, por exemplo, o “comando” vindo do cérebro para que a musculatura se contraia de maneira adequada, chega “atrasado” em alguns músculos, principalmente nos glúteos médio e mínimo no quadril (músculos estabilizadores da Pelve) e no vasto medial (músculo interno da coxa) fazendo com que as o fémur “rode para dentro” e deixe a patela mais lateralizada e em contato reduzido das superfícies articulares. Quanto menor a área de contato, maior a pressão e, consequentemente, maior a chance de lesão crônica de tecidos, em especial a cartilagem patelar. Nos últimos 5 anos, alguns autores provaram existir o valgo dinâmico (figura 1) através do exame chamado eletromiografia e da ressonância magnética dinâmica (em movimento) e postulam que o problema das mulheres corredoras  é na verdade funcional e não só anatômico, como se pensava há 30 anos atrás.

Isso significa que a cada passo da corrida, a mulher estaria sujeita ao valgo dinâmico? Sim. A fase inicial da corrida é chamada de absorção de impacto, no qual a energia cinética do contato do pé ao solo é absorvida através da contração muscular e da flexão do joelho. Havendo o valgo dinâmico, existiria um micro-trauma de repetição que, a médio e longo prazo desenvolveriam sintomas como a dor, desconforto e inchaço no joelho.

A figura 1 mostra a diferença de uma aterrissagem de uma mulher (à esquerda) e de um homem (à direita). Note que os joelhos da mulher caem “para dentro” (valgizado) e em rotação interna e que isso não acontece com o homem.

 

Figura 1: Fotografia de um estudo neuromuscular simulando um aterrissagem

 

 

Doenças do joelho da mulher corredora

 

A)    Tendinite Patelar
Apesar de ser mais prevalente em indivíduos do sexo masculino, estatisticamente estaria ligada à alterações anatômicas como a patela alta. Pode ser difusa (pegando todo o tendão), só no pólo inferior da Patela, denominada “jumpers knee” pela literatura americana. Há caráter inflamatório inicial e, se não tratada, pode degenerar e levar à ruptura espontânea, descrita em alguns casos.

 

Quando se opera?
Em geral, após falha do tratamento conservador, indica-se o tratamento cirúrgico. Os dois principais procedimentos cirúrgicos incluem a perfuração do pólo envolvido e a excisão da área acometida do tendão.

O objetivo da perfuração é aumentar o suprimento vascular para a área afetada.  Recentemente, com o advento da artroscopia do joelho, é possível que seja realizada sem a incisão anterior clássica. O segundo procedimento envolve a excisão longitudinal do tendão envolvido. Conforme relatado por Blazina et al, em 1973, o principal benefício deste procedimento é que ele  permitiria retirada de todo o tendão doente, com posterior cicatrização da lesão.

 

Além da cirurgia, existem outros tratamentos?


Embora ainda em estudo, autores relatam sucesso no tratamento da doença com a terapia por ondas de choque (TOC). Nesta técnica, uma máquina emite pulsos semelhantes aos usados nas quebras de cálculos renais sobre o tendão doente. A partir daí, ocorreriam estímulos à cicatrização da lesão.

 

B) Sinovite difusa


Trata-se de uma reação inflamatória difusa, acometendo a membrana articular, denominada sinóvia e pode se estender a outras estruturas, como o coxim gorduroso, ou gordura de Hoffa da região anterior do Joelho. Acomete principalmente mulheres após a segunda década de vida, envolvidas ou não com atividades físicas, o que levou a muitos autores intitularem a condição como “o joelho da mulher” na década passada.

Quando surge na mulher corredora traduz que o esporte está ultrapassando os limites fisiológicos e os tecidos do joelho estão sobrecarregados.
Em geral, sintomas ocorrem em atividades da vida diária, como subir e descer escadas, estando intimamente associado ao uso excessivo de salto alto e podem limitar muito a prática esportiva.
Embora a sintomatologia seja exuberante, muitas vezes não há relação direta com os achados de exames de imagem, como na ressonância nuclear magnética, por exemplo e a grande maioria das pacientes melhora com uma boa reabilitação.

 

C) Condromalácia

Condromalácia patelar na mulher

 

O termo vem do latim e significa, em sua essência, “amolecimento da cartilagem”. Muito comentada e estudada desde o início dos anos 90 com o advento da Ressonância Nuclear Magnética como ferramenta diagnóstica de lesões no joelho.

Dentre o rol de doenças do joelho da mulher corredora, esta intimamente ligada ao valgo dinâmico e, infelizmente, tratada de maneira incorreta em muitos casos.

Conforme descrito acima, postula-se que a doença desenvolva-se a partir do contato excessivo da cartilagem da rótula que estaria lateralizada em relação ao seu “trilho”, a tróclea femoral. A distribuição desigual dos pontos de pressão causaria, em longo prazo, morte celular e desarranjo da matriz extra-celular, com conseqüentes sintomas de dor, creptação ou sensação semelhante a “areia” dentro do joelho, estalos e, às vezes, falseios. No início, a lesão dá-se por amolecimento da cartilagem. A seguir, podem haver ulcerações, fissuras, terminando com o desgaste de toda sua espessura, evoluindo, assim como qualquer lesão cartilaginosa, para a osteoartrose.

O tratamento é não cirúrgico na grande maioria dos casos e fundamenta-se na detecção da presença valgo dinâmico e de desequilíbrios musculares através do teste de força ou avaliação isocinética. A reabilitação envolve recursos antiinflamatórios iniciais como o laser e o ultrassom, seguidos da ativação de grupos musculares enfraquecidos, muitas vezes com auxílio da eletroterapia (correntes russa ou australiana), seguida do fortalecimento e aumento do tempo de ativação de grupos musculares através dos treinos proprioceptivos e pliométricos. Muitas vezes, o uso do salto alto deve ser reduzido por determinado período e pisadas muito pronadas ou muito supinadas também devem ser tratadas.

 

Tratamento cirúrgico

O tratamento cirúrgico se reserva aos casos quem não melhoraram com a reabilitação bem feita, com defeito cartilaginoso de graus III ou IV e com encurtamento crônico da retinacula lateral (tecido que segura a patela na região externa). Nestes casos, através da artroscopia do joelho pode se realizar a regularização da cartilagem lesada, retirada de corpos livres e a soltura da retinacula encurtada, procedimento chamado de “release lateral”. Terapias adjuvantes como a aplicação intra-articular de ácido hialurônico no período pós-operatório auxilia no tratamento e previne a recidiva de sintomas.

 

+ 10 perguntas frequentes sobre a infiltração com ácido hialurônico

 

D) Síndrome do atrito íleotibial

Area do atrito da banda ileotibial no epicondilo lateral do joelho


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lesão extremamente freqüente em ciclistas e corredores. Ocorre devido à fricção da banda fibrosa lateral chamada banda ileotibial com a proeminência óssea lateral do joelho, o Epicôndilo lateral. Ocorre reação inflamatória localizada que, caracteristicamente, dói durante a corrida e pedalada e melhora após o repouso. Indivíduos que pedalam de maneira incorreta com banco muito alto, trazendo o joelho muito próximo à linha mediana da bicicleta, assim como as portadoras de Genu varum ou “joelho arqueado” são mais suscetíveis à lesão.

O tratamento envolve alongamento da banda ileotibial sob manipulação do fisioterapeuta e fortalecimento dos músculos estabilizadores da pelve, em especial do glúteo médio e rotadores do quadril. Nos casos que não melhoram, terapias como as ondas de choque e infiltrações tem tido bom resultado.

Muito raramente, pacientes com esta doença necessitam de tratamento cirúrgico que inclui o alongamento da banda ileotibial (zetaplastia) ou a retirada da proeminência óssea (epicôndilo lateral).

 

dr-adriano-leonardi-especialista-do-joelhoDR. ADRIANO LEONARDI

Médico ortopedista especialista em traumatologia do esporte e cirurgia do joelho. Médico e fisiologista do esporte. Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Ambientes Remotos e Esportes de Aventura. + Conheça o Profissional

Comente