Dr. Adriano Leonardi

Artigos

destaque001

Quem pratica esporte tem maior chance de desenvolver artrose?

O crescimento da população idosa é um fenômeno mundial e, no Brasil, as modificações ocorrem de forma radical e bastante acelerada. As projeções mais conservadoras indicam que, em 2020, o Brasil será o sexto país do mundo em número de idosos, com um contingente superior a 30 milhões de pessoas.

Ao passo em que a humanidade vai envelhecendo, doenças degenerativas tendem a ocorrer com maior frequencia na população, dentre elas, a artrose, conhecida nos EUA como osteoartrite e, no Brasil popularmente como desgaste articular.

artrose do joelho

Número cada vez maior de pessoas acima de 40 anos que praticam esportes

 

 

 

 

 

 

 

Por definicao, a artrose é uma doença de caráter inflamatório e degenerativo das articulações (juntas) do organismo, marcada pelo desgaste das cartilagens que revestem as extremidades ósseas, causando dor e podendo levar a deformidades. As articulações mais acometidas pela artrose são as que suportam peso, como a coluna vertebral, os quadris e os joelhos.

Com uma quantidade cada vez maior de pessoas praticando esportes em todas as faixas etárias e com um numero cada vez maior de atendimentos em clinicas ortopedicas de doenças articulares degenerativas, uma pergunta tem intrigado a ciência: quem pratica esportes degrada mais rapidamente as articulações?

Buscando esta resposta, pesquisadores tem trabalhado com os chamamos “Biomarcadores”, ou seja, produtos encontrados tanto no sangue quanto na urina que mostram a quantidade de cartilagem que esta sendo degradada. O que  se sabe até agora é que pessoas que sentem mais dor e que tem artrose diagnosticada tem realmente uma quantidade maior desses produtos em seu corpo.

Recentemente um estudo realizado pelo grupo de traumatologia do esporte da Santa casa de São Paulo (do qual eu faço parte) publicou um estudo mostrando que atletas de alto rendimento realmente degradam mais cartilagem.

Mas será que isso levaria a uma artrose precoce?

Se positivo, o que poderia ser feito para que esse processo de degradação fosse freado?

Estudos intrigantes realizados com voluntários submetidos à infiltração do joelho  com ácido e hialuronico (visco –suplementação- figura 1.) mostrou reduçao significantiva de  Biomarcadores quando comparados aos  que não receberam o produto.

  O uso desse produto seria realmente uma prevençao para que as pessoas não tiveram a artrose instalada?

infiltraçao no joelho com acido hialurônico

Figura 1- Ilustração da infiltração no joelho com acido hialurônico

 

 

 

 

 

 

Enquanto a ciencia nao responde essas perguntas, sabendo-se que a artrose faz parte do processo de envelhecimento articular e que a maioria a minoria das pessoas são sintomáticas, mantém-se as dicas para um bom cuidado das articulações:

 

A) Controle seu peso:  articulações como joelho podem receber de três a cinco vez o peso do individuo em uma aterrissagem por exemplo.

 

B) Mantenha o fortalecimento e o alongamento direcionados para esporte que você pratica. Na corrida de rua, por exemplo, um bom trabalho de fortalecimento excêntrico do musculo anterior da coxa (quadriceps) aliado ao fortalecimento de grupos musculares do quadril são fundamentais.

 

C) Evitar sobrecarga articular através de picos de treino, ou seja, exageros repentinos que podem fazer com que você exceda os limites fisiológicos da sua articulação.

 

Referencias bibliograficas

 

1. Felson DT. 2003. The epidemiology osteoarthritis. In: Brandt

KD, Doherty M, Lohmander LS, editors. Osteoarthritis.

Oxford, England: Oxford University Press: p 9–16.

2. Le Pen C, Reygrobellet C, Gerentes I. 2005. Financial cost of

osteoarthritis in France. The ‘‘COART’’ France study. Joint

Bone Spine 72:567–570.

3. American College of Rheumatology subcommittee on osteoarthritis

guidelines. 2000. Recommendations for the medical

management of osteoarthritis of the hip and the knee. 2000

update. Arthritis Rheum 43:1905–1915.

4. Zhang W, Doherty M, Peat G, et al. 2010. EULAR evidencebased

recommendations for the diagnosis of knee osteoarthritis.

Ann Rheum Dis 69:483–489.

5. Zhang W, Nuki G, Moskowitz RW, et al. 2010. OARSI

recommendations for the management of hip and knee

osteoarthritis: Part III: changes in evidence following systematic

cumulative update of research published through

January 2009. Osteoarthritis Cart 18:476–499.

Comente