O que é e como tratar o Cisto de Baker do Joelho

O que é e como tratar o Cisto de Baker do Joelho

Compartilhe:

Cisto de Baker, também conhecido por cisto poplíteo, é um cisto sinovial na região posterior do joelho. O acúmulo de liquido sinovial do joelho acaba distendendo a parede posterior e faz com que o cisto seja formado entre a cabeça medial do gastrocnêmio e os tendões semimembranosos através da comunicação com a articulação do joelho. O liquido sinovial, muitas vezes produzido em excesso pela artrose (osteoartrite) acaba indo para a região posterior por este pertuito e não retorna à articulação do joelho devido a estruturas que formem válvula, como uma lesão degenerativa do menisco medial, por exemplo.

Cisto de Baker no Joelho

 

Quando posso ter Cisto de Baker?

Existem dois picos onde o cisto de Baker é mais comum: dos 4 aos 7 anos (também denominado cisto congênito) e dos 35 aos 70 anos.

 

Quais os sintomas do Cisto de Baker?

Felizmente, na grande maioria das vezes, os cistos são mais frequentemente encontrados incidentalmente quando o joelho é submetido a exames de imagem como o ultrassom e a ressonância magnética.

Quando sintomático, o cisto pode desencadear:

  • Sensação de corpo estranho/massa na região posterior do joelho;
  • Aparência de um caroço na região de trás do joelho;
  • Bloqueio de flexão;
  • Dor que pode piorar muito quando o cisto de rompe. Quando isso acontece, o principal diagnóstico diferencial é a trombose venosa profunda (TVP), condição onde o sangue coagula dentro das veias profundas da perna e ocorre inchaço e muita dor na panturrilha. Trata-se de uma emergência médica, pois, se não bem tratado, o trombo pode se desprender e levar ao trombo-embolismo pulmonar.

 

Por que ocorre o Cisto de Baker?

Em adultos, o Cisto de Baker está quase sempre associado a doenças degenerativas inflamatórias crônicas que causem aumento da produção do liquido sinovial do joelho, como por exemplo:

  • Artrose erosiva do joelho;
  • Artrite reumatoide;
  • Articulação de Charcot envolvendo o joelho;
  • Artrose pós-traumática em atletas.

 

Diagnóstico

O diagnostico é dado pelo exame físico, onde uma “bola ou um caroço” dói e bloqueia a articulação, impedindo o paciente de se agachar, atrapalhando e muito atletas e esportistas que pratiquem jiu-jitsu, judô, luta greco-romana e nos agachamentos realizados nas academias de musculação e cross-fit.

Os exames de imagem incluem o ultrassom e a ressonância magnética.

Cisto de Baker no Joelho

As setas azuis da imagem da ressonância magnética mostram um cisto de baker volumoso na região posterior do joelho.

 

Tratamento e prognóstico do Cisto de Baker

Em crianças pode haver resolução espontânea dentro de 10 a 20 meses. Se os sintomas persistirem e / ou o cisto for muito grande, uma retirada cirúrgica é uma opção.

Em atletas que estejam incomodados, pode-se realizar uma aspiração (preferencialmente guiada por ultrassom), seguida de injeção de esteroides, que demonstrou ser benéfica na redução do tamanho do cisto de Baker e na melhora dos sintomas.

Cisto de Baker no Joelho

Na ilustração, a drenagem ambulatorial de um cisto de Baker.

 

Complicações reconhecidas incluem:

Como dito anteriormente, a sua principal complicação é a ruptura: vazamento de líquido cístico na região de traz do joelho, causando grande inchaço da panturrilha, que, por sua vez, pode comprimir vasos e nervos.

 

Quer saber mais sobre Joelho?

 

 

Acesse nosso Canal no Youtube e Inscreva-se: 

 


Compartilhe:
Dr. Adriano Leonardi
dr@adrianoleonardi.com.br

Dr. Adriano Leonardi possui 20 anos de experiência em Ortopedia. É Médico Ortopedista Especialista em Joelho; Mestre em Ortopedia e Traumatologia; Médico e Fisiologista do Esporte; Membro da Diretoria da Sociedade Paulista de Medicina Desportiva; Colunista e Consultor dos Sites 'Eu Atleta' e 'Globo Esporte'. Agende sua Consulta: (11) 2507-9021 ou 2507-9024

Não há comentários

Poste um Comentário