fbpx
 

Impacto femoroacetabular e lesão labral do quadril

Impacto femoroacetabular e lesão labral do quadril


Um dos os maiores avanços da medicina esportiva atual está na melhor compreensão do comportamento do quadril nos esportes. O melhor entendimento da sua biomecânica e de como deformidades previas se comportam na execução do movimento, levaram à atual descrição de doenças como o impacto fêmoro-acetabular, lesão labral, tendinites glúteas profundas, bursites trocantérica, pubalgia.

impacto femoroacetabular e lesão labral do quadrilMas, falando do impacto femoroacetabular, trata-se de uma das patologias mais comuns no quadril. Porém, o impacto femoroacetabular não ocasiona apenas o desconforto, dores e limitações da articulação do quadril. Ele também pode, em determinadas condições, causar a lesão labral.

+ Lesão labral do quadril

Ou seja, o impacto femoroacetabular é a patologia de base, em muitas situações.

Isso nos dá um cenário mais claro. Muitas vezes, o paciente chega ao consultório e temos um diagnóstico de lesão labral, mas a origem do problema é o impacto femoroacetabular. Se não houver um ajuste neste quadro, é bem possível que a lesão labral se torne mais extensa.

Mas antes de falarmos disso, é importante entender o que é de fato, o impacto femoroacetabular.

O que é o impacto femoroacetabular?

A articulação do quadril é classificada como bola e soquete. Os movimentos da articulação do quadril acontecem através de um “rolamento” entre a cabeça do fêmur e o acetábulo.

Quando este rolamento, onde não deveria haver atrito entre as estruturas ósseas, não acontece de forma funcional e equilibrada, temos um quando de o impacto femoroacetabular.

impacto femoroacetabular e lesão labral do quadrilO resultado é um bloqueio mecânico dos últimos graus de movimento desta articulação. Como a região sofre constantes impactos, a região da borda lateral do acetábulo acaba sofrendo micro traumas. Isso pode causar tanto danos funcionais, como perda de força e mobilidade, dores e outros, até o desgaste da cartilagem, que causa as lesões labrais.

A articulação do quadril é do tipo bola e soquete e seus movimentos requerem rolamento da cabeça femoral no acetábulo. O impacto surge quando essa harmonia de movimentos é alterada, o que resulta em bloqueio mecânico dos últimos graus de movimentos da cabeça femoral, o que faz com que golpeie a borda lateral do acetábulo e cause micro traumatismos regionais. As estruturas mais afetadas são o labrum e a região anterolateral da cartilagem articular do acetábulo e as forças lesivas traduzem-se por compressão e cisalhamento.

De forma bem simplificada, é o impacto da cabeça (colo) do fêmur com o osso do quadril (acetábulo). No geral, o impacto femoroacetabular acontece por diversas razões e podemos afirmar que ele ocasiona um “encaixe” imperfeito entre o fêmur e o quadril.

Neste caso, há um impacto contínuo na borda do acetábulo.

Como o quadril é uma articulação extremamente móvel e com grande utilização no dia a dia, o impacto sequencial nesta região pode gerar lesões, dores e comprometimento do funcionamento normal da articulação.

Mas para chegarmos neste ponto, é importante entender que existem 3 tipos de impacto femoroacetabular (IFA).

Tipos de impacto femoroacetabular

Existem 3 tipos de impacto femoroacetabular e entender como cada um deles acontece, é fundamental para um diagnóstico, tratamento e retorno ao esporte adequado.

impacto femoroacetabular e lesão labral do quadril

Impacto femoroacetabular tipo CAM ou “Came”

No caso do impacto femoroacetabular tipo CAM, temos uma espécie de “lombada” óssea próxima à cabeça do fêmur. Essa “lombada”, gera um impacto na borda do acetábulo, principalmente em movimentos de maior amplitude, como a flexão e rotação interna do fêmur.

No caso do impacto femoroacetabular tipo CAM, o atrito entre o fêmur e o acetábulo podem causar lesões na cartilagem medial do quadril, gerando lesões labrais na região.

Impacto femoroacetabular tipo Pincer

Se no impacto femoroacetabular tipo CAM é o fêmur que tem uma deformidade óssea, no Pincer o problema está no acetábulo. Neste caso, ele possui uma proeminência óssea na porção superior do acetábulo. O fêmur, ao rodar no eixo articular, acaba causando atrito, devido a esta deformidade óssea.

Impacto femoroacetabular misto

Este é o mais comum. No geral, há deformidades tanto no acetábulo, quanto na cabeça do fêmur.

É muito importante entender que estes tipos de impacto femoroacetabular devem ser o ponto de partida do diagnóstico e prevenção.

Cada um dos tipos de impacto femoroacetabular tem um tratamento diferente.

Tratamento do Impacto femoroacetabular

De maneira simplificada, o tratamento baseia-se na presença ou não de artrose no quadril e segue o seguinte algoritmo:

+ Artrose do quadril

a) Articulação coxofemoral sem artrose e sem lesão de labrum

Podemos tomar uma conduta de apenas orientar a prática do esporte, evitando o impacto destas estruturas, como angulações de proteção de agachamento, melhoria da biomecânica da corrida, além de exercícios de fortalecimento de rotadores de quadril.

impacto femoroacetabular e lesão labral do quadril

b) Articulação coxofemoral sem artrose e com lesão de labrum

Geralmente, realiza-se a artroscopia do quadril para a plastia (retirada da proeminência óssea) e sutura (costura) do labrum destacado. É o procedimento que chamamos de SALVAR O QUADRIL.

c) Articulação coxofemoral com artrose

Aqui realizamos o protocolo geral da artrose como emagrecimento, mudança do estilo de vida e tratamento sintomático como a viscossuplementação (infiltração com ácido hialurônico) do quadril e, em casos mais avançados e com perda acentuada da qualidade de vida, a Prótese do Quadril.

impacto femoroacetabular e lesão labral do quadril

+ Infiltração articular do quadril de atletas

Quer Saber Mais Sobre Quadril?

 

 

Acesse nosso Canal no Youtube e Inscreva-se:

 

 


Dr. Adriano Leonardi
[email protected]

Dr. Adriano Leonardi possui 20 anos de experiência em Ortopedia. É Médico Ortopedista Especialista em Joelho; Mestre em Ortopedia e Traumatologia; Médico do Esporte; Membro da Diretoria da Sociedade Paulista de Medicina Desportiva; Colunista e Consultor dos Sites 'Eu Atleta' e 'Globo Esporte'. Agende sua Consulta: (11) 2507-9021 ou 2507-9024

Não há comentários

Poste um Comentário