fbpx
 

Tipos de células-tronco utilizadas para a regeneração cartilaginosa

Que tipo de células-tronco são utilizadas para a regeneração cartilaginosa?

Tipos de células-tronco utilizadas para a regeneração cartilaginosaNeste ponto, vai depender muito do diagnóstico do ortopedista, bem como do plano de tratamento. Não há uma única forma. Até porque, cada caso apresenta características específicas.

No geral, as células-tronco usadas para a regeneração de cartilagem são as mesenquimais. Conceitualmente, as células-tronco mesenquimais estão presentes na periferia de tecidos de indivíduos adultos e tem a capacidade limitada de transformação em tecidos como ossos, cartilagens, tendões e tecido gorduroso.

Com a aplicação de técnicas de medicina regenerativa, é possível aplicar estas células em locais lesionados, com perda de tecido cartilaginoso e estimula a produção do novo tecido. Isso, além de aumentar em muito a funcionalidade do paciente, favorece um processo pós-cirúrgico muito mais fácil e reduz as chances de inflamação.

Como isso é realizado hoje no Brasil e no mundo?

Tipos de células-tronco utilizadas para a regeneração cartilaginosaEm território nacional, existem hoje três formas da utilização das homologadas pela ANVISA. São elas:

  1. Método drilling: Realizado no próprio consultório médico, idealmente guiado por ultrassom, realizamos diversas perfurações em tecidos degenerados, visando criar reação inflamatória local, com migração tradicional das células-tronco e, consequente cicatrização total ou parcial do tecido.
  2. Método BMAC: A sigla vem de “Bone Marrow Aspirate Concentrate” (concentrado de aspirado de medula óssea). Nesta técnica, realizamos a coleta do concentrado, geralmente retirado da espinha ilíaca da bacia. O aspirado é trabalhado por um biomédico experiente sob total assepsia e utilizado imediatamente no paciente, idealmente durante cirurgias como as micro-fraturas, cirurgias tendinosas e osteotomias.
  3. Método Scaffold: São membranas porosas biológicas (biomembranas) que estimulam a transformação das células-tronco no tecido desejado. Para a cartilagem, a técnica é chamada de AMIC: Matriz autógena indutora de condrogênese induzida por matriz autógena.

Trata-se de uma técnica cirúrgica desenvolvida com base na técnica de microfratura para o tratamento de defeitos da cartilagem. Durante o processo são libertadas células-tronco mesenquimais da medula óssea para formar um chamado super coágulo na área de cartilagem danificada.

O coágulo sanguíneo está coberto e protegido com a membrana de colágeno. Este implante não só protege as células, como também lhes dá o estímulo indicado para criar o tecido reparador de cartilagem.

+ Biomembrana

E fora do Brasil?

Em outros países como Suécia, Ucrânia e China, são autorizados além da coleta, também o crescimento e transformação das células-tronco em outros tecidos em laboratório com posterior reimplante nos pacientes. Estes procedimentos ainda não são autorizados no Brasil.

Não há comentários

Poste um Comentário