Lesões dos músculos isquiotibiais  ocorrem com freqüência em atletas. São especialmente comuns em atletas que participam de esportes que exigem corrida, futebol e basquete.

Anatomia

Os músculos isquiotibiais ou músculos posteriores da coxa dividem-se em:

– Semitendíneo
– Semimembranoso
– Bíceps femoral

Eles começam na parte inferior da pélvis em um lugar chamado a tuberosidade isquiática e atravessam a articulação do joelho e terminam na parte inferior da perna. Possuem a função de ajudar a estender a perna para trás e dobrar o joelho.

 

Por que a lesão ocorre?

A principal causa é a sobrecarga muscular. Durante o chute a uma bola ou durante um “Sprint” na corrida, o grupo muscular anterior da coxa, chamado de quadríceps se contrai vigorosamente objetivando força, esticando o joelho e o grupo posterior da coxa, os isquiotibiais estica-se contra a resistência, objetivando modular o movimento. A isso chamamos de ” contração excêntrica “. Neste momento, por nao resistir a força do quadríceps (agonistas), os isquiotibais (antagonistas) se rompem.

 

Fatores de Risco

Falta de alongamento muscular: Os atletas devem seguir um programa durante todo o ano de exercícios de alongamento diários, principalmente atletas velocistas, atletas de quadras e campo.

Desequilíbrio muscular : Quando um grupo de músculos é muito mais forte do que o seu grupo de músculos opostos , o desequilíbrio pode levar a uma lesao . Isso acontece com frequência com os músculos isquiotibiais .

Mau condicionamento: Se os seus músculos são fracos, eles são menos capazes de lidar com o estresse do exercício e são mais propensos a ser ferido .

Fadiga muscular: A fadiga reduz a capacidade de absorção de energia dos músculos , tornando-os mais suscetíveis a lesões.

 

O que se sente?

Basicamente, ocorre dor súbita na região posterior da coxa com incapacitação quase que imediata do atleta.  É muito comum o espectador ver a equipe de primeiros-socorros removendo o jogador de futebol do campo.

 

Outros sintomas podem incluir:

  • Inchaço durante as primeiras horas após a lesão
  • Hematomas ou descoloração da parte de trás de sua perna
  • Fraqueza que pode persistir por semanas.

 

Diagnóstico

Frente a uma suspeita de lesão muscular, o médico do esporte, ao examinar o atleta busca pelo local da dor e interrupção (gap) muscular.

Exames de imagem incluem o usg a e ressonância magnética. O exame ajuda a graduar o grau da lesão.

A Ressonância magnética mostra a formação de hematoma que aparece na área branca indicada pela seta.

 

Tratamento

A maioria maioria das lesões dos isquiotibiais curam muito bem com tratamento simples, não cirúrgico, que inclui

repouso, gelo , compressão e elevação .

Fisioterapia: Deve ser iniciada o mais breve possível. O ultrassom pulsado visa reduzir o tempo de reabsorção de hematoma. Exercícios específicos podem restaurar a amplitude de movimento e força.

 

Tratamento Cirúrgico

A cirurgia é mais freqüentemente realizado para as lesões por avulsão do tendão , onde o tendão tem puxado completamente longe do osso, principalmente originadas na pelve ( avulsão do tendão proximal ).

 

 

Prevenção

A avaliação isocinética é, sem dúvida, a principal ferramenta na prevenção da lesão dos isquiotibais, pois orientam o grupo muscular a ser trabalhado. Em clubes de futebol sao mandatórias.

Além dela, boa nutrição e boa hidratação, um bom aquecimento antes do esporte e o treinamento para o mesmo sob supervisão de profissionais da educação física experientes também sao muito importantes.

 

Referências bibliográficas
1. Aagaard P, Simonsen EB, Magnusson SP et al. A new concept for isokinetic hamstring: quadriceps muscle strength ratio. Am J Sports Med 1998;26:231-237.
2. Agre JC. Hamstring injuries. Proposed aetiological factors, prevention, and treatment. Sports Med 1985;2:21-33.
3. Askling C, Karlsson J, Thorstensswon A. Hamstring injury occurrence in elite soccer players after preseason strength training with eccentric load. Scand J Med Sci Sports 2003;13(4):244-50.
4. Beaulieu JE. Developing a stretching program. Physician Sports Med 1981;9(11):59-65.
5. Best TM, Garrett WE Jr. In: DeLee and Drez. Orthopedic sports medicine. Basic science of soft tissue (muscle and tendon).Philadelphia: W. B. Saunders; 1994. p. 1-45.
6. Bennell K, Wajswelner H, Lew P et al. Isokinetic strength testing does not predict hamstring injury in Australian Rule footballers. Br J Sports Med 1998;32:309-314.
7. Buckwalter J. Current concepts review pharmacological treatment for soft tissue injuries. J Bone Joint Surg 1995;77-A:1902-1914.
8. Carlsson BM, Faunkner JA. The regeneration of skeletal muscle fibers following injury: a review. Med Sci Sports Exerc 1983;15(3):187-196.
9. Chan YS, Li Y, Foster W, Horaguchi T, Somogyi G, Fu FH et al. Antifibrotic effects of suranin in injured skeletal muscle after laceration. J Appl Physiol 2003;95:771

 

 

Artigos similares