O cisto de Baker em atletas

O cisto de Baker em atletas

Compartilhe:

O Cisto de Baker é caracterizado pela formação de um caroço situado atrás do joelho e geralmente ocorre como resultado de lesões comuns no joelho como uma ruptura meniscal, condropatia ou artrose. Tipicamente, a lesão ocorre em pessoas mais velhas e, com o envelhecimento da população, cada vez mais tem sido encontrado em atletas com mais de 40 anos.

Um pouco de anatomia

A articulação do joelho compreende a união de dois ossos: o osso longo da coxa (fêmur) e o osso da canela (tíbia). Entre as extremidades ósseas há dois discos redondos feitos de fibrocartilagem, chamados meniscos mediais (interno) e lateral (externo). Cada menisco atua como um amortecedor do impacto do fêmur na tíbia durante a atividade de sustentação de peso. Ao redor de toda a articulação do joelho, temos um forte tecido conjuntivo, conhecido como cápsula articular, responsável pela formação do fluido que lubrifica a articulação, chamado de líquido sinovial. Atrás do joelho, encontram-se vários pequenos sacos cheios de líquido, conhecidos como Bursas, cuja função está em reduzir o atrito entre as camadas ósseas ou de tecidos moles adjacentes e geralmente se comunica com a articulação do joelho.

O cisto de Baker em atletas

Mas, por que o Cisto aparece?

Estruturas dentro da articulação do joelho, como o menisco medial e lateral, podem ser danificadas repentinamente devido a um trauma específico como uma contusão ou entorse ou gradualmente ao longo do tempo, devido às atividades repetitivas ou prolongadas que pressionam o tecido. Quando qualquer tipo de lesão ocorre em estruturas dentro da articulação do joelho, como os meniscos ou cartilagem, ocorre grande reação inflamatória, levando ao chamado derrame articular ou inchaço que, normalmente se acumula na cápsula da articulação do joelho e algumas vezes na Bursa (geralmente na parte de trás do joelho) que se comunica com a articulação do joelho. Essa condição é conhecida como Cisto de Baker.

Causas do Cisto de Baker

Como dito antes, o Cisto de Baker ocorre mais comumente secundário as alterações degenerativas do joelho (artrose do joelho) ou lesões meniscais (aguda ou devido ao uso excessivo gradual). As lesões meniscais geralmente ocorrem de maneira traumática em esportes que exigem mudanças repentinas de direção e movimentos de torção. Esses esportes podem incluir futebol, basquete, tênis e esqui na neve. As lesões meniscais ocorrem frequentemente quando o pé é fixo no chão e uma força de torção é aplicada ao joelho (por exemplo, quando o corpo de outro jogador cai sobre a perna) ou após um salto ou aterrissagem forçada.

Estas lesões também podem ocorrer ao longo do tempo através do desgaste gradual associado ao uso excessivo (por exemplo, muito treino com agachamento na academia). Isso pode estar associado ou levar a alterações degenerativas típicas de nosso envelhecimento na articulação do joelho ao longo do tempo (artrose), principalmente em pacientes com mais de 40 anos.

Sinais e sintomas do Cisto de Baker

O Cisto de Baker geralmente apresenta um inchaço firme e irregular localizado na parte de trás e externa do joelho. Quando o Cisto de Baker é pequeno, pouco ou nenhum sintoma pode estar presente. À medida que a condição piora, os pacientes podem sentir dor ou incômodo localizado na parte de trás do joelho e, muitas vezes, uma sensação de aperto, principalmente ao tentar dobrar ou esticar a articulação completamente. Às vezes, esse aperto pode se estender para a panturrilha. A sensibilidade também pode ser sentida ao tocar firmemente o Cisto de Baker na parte de trás do joelho.

Pessoas com Cisto de Baker também podem apresentar outros sintomas como estalidos, crepitação, travamento, um som audível no local da lesão, dor durante certas atividades (como atividade de sustentação de peso, ajoelhar, torção ou agachamento), fraqueza, dor noturna ou matinal ou dor e incapacidade colocar o peso sobre o membro afetado.

A ruptura do Cisto de Baker, denominada de Cisto de Baker roto causa muita dor e inchaço que pode descer pela panturrilha e causar dificuldade de locomoção. O quadro clinico é semelhante ao da trombose venosa profunda (TVP) e a mesma deve ser descartada através de exames auxiliares como o ultrassom doppler.

O cisto de Baker em atletas

Diagnóstico de Cisto de Baker

Um exame físico completo de um médico geralmente é suficiente para diagnosticar o Cisto de Baker e a causa subjacente da doença. Uma investigação por ultrassom ou na ressonância magnética, geralmente são suficientes para identificar a presença de um Cisto de Baker.

Tratamento do Cisto de Baker

O tratamento do Cisto de Baker no joelho envolve principalmente o tratamento da causa subjacente da doença, incluindo:

  • Infiltração com ácido hialurônico;
  • Fisioterapia;
  • Artroscopia para tratar a condropatia ou a lesão do menisco.

Em Atletas

Para atletas e esportistas, muito importante que os sintomas sejam eliminados o mais rápido possível, pois o tempo de afastamento pode comprometer muito o rendimento.

Nestes indivíduos, costumamos também realizar a punção do cisto guiada por ultrassom. Logo após a drenagem, infundimos medicações que reduzem ou inibem a produção de liquido sinovial do joelho como a betametasona ou a triancinolona.

Após a punção, idealmente o líquido deve ser enviado para análise bioquímica.

Após a punção e tratamento da causa subjacente do Cisto de Baker, o retorno ao esporte deve ser planejado e realizado o mais rápido possível por uma equipe de transição.

 

Acesse nosso Canal no Youtube e Inscreva-se:

 


Compartilhe:
Dr. Adriano Leonardi
dr@adrianoleonardi.com.br

Dr. Adriano Leonardi possui 20 anos de experiência em Ortopedia. É Médico Ortopedista Especialista em Joelho; Mestre em Ortopedia e Traumatologia; Médico e Fisiologista do Esporte; Membro da Diretoria da Sociedade Paulista de Medicina Desportiva; Colunista e Consultor dos Sites 'Eu Atleta' e 'Globo Esporte'. Agende sua Consulta: (11) 2507-9021 ou 2507-9024

Não há comentários

Poste um Comentário