fbpx
 

Quando a cirurgia deve ser recomendada para luxação patelar?

Quando a cirurgia deve ser recomendada para luxação patelar?

Quando a cirurgia deve ser recomendada para luxação patelar?

Anatomicamente, a patela (rótula) se liga ao fêmur (osso da coxa) e tíbia (osso da canela) por tendões. A patela se encaixa em um sulco no final do fêmur (sulco troclear) e desliza para cima e para baixo conforme o joelho se dobra e se endireita.

O que é a luxação patelar?

O termo luxação patelar se refere ao episódio no qual a patela se desloca, ou seja, sai de seu local original. Isso ocorre, em geral, após uma contusão ou um entorse durante a prática esportiva. A patela também pode se deslocar ou luxar quando realizamos movimentos que tenham desaceleração como descer escadas ou em um salto e aterrissagem.

Quando a patela luxa mais de uma vez, a lesão é chamada de luxação recidivante da patela e isso pode levar ao que chamamos de instabilidade patelar.

O que é instabilidade patelar?

Existem dois tipos de instabilidade patelar. O primeiro é conhecido como luxação traumática da patela. Na maioria das vezes, isso é o resultado de uma lesão no joelho e a patela é empurrada completamente para fora do sulco. 

O outro tipo de instabilidade é conhecido como instabilidade patelar crônica. Nesse tipo, a rótula geralmente desliza apenas parcialmente para fora da ranhura. Isso é conhecido como subluxação.

Quais são os sinais e sintomas da luxação patelar?

É muito comum sentir dor, inchaço, rigidez, dificuldade para caminhar sobre o membro afetado e/ou sensação de torção, aperto ou travamento no joelho horas ou dias após o 1º episódio. Em um episódio agudo e grave, também pode haver uma deformidade perceptível no joelho afetado. 

A maioria dos pacientes tem a sensação de que a patela se deslocou ou saiu do lugar. Normalmente, a rótula se moverá de volta por conta própria, mas às vezes precisará ser colocada de volta no lugar no pronto-socorro. Por isso, a avaliação do ortopedista deve ser imediata e uma manobra de redução, na qual se coloca a patela no lugar, deve ser executada.

Com subluxações patelares crônicas, a dor pode ser menos intensa do que em uma lesão traumática.

Quando a doença se cronifica, os pacientes podem se queixar de dor sob a patela, especialmente com atividades que envolvem flexão profunda dos joelhos.

Diagnóstico

Em geral, além da história clínica e do exame físico, solicitamos exames de imagem como os raios-X  e tomografia. Eles são de extrema importância na avaliação da anatomia do paciente. Índices como de inclinação e a altura da patela, ângulo de congruência da tróclea femoral e índices GT-TA podem mostrar se existem alterações anatômicas que predispõem a luxação patelar.

Uma ressonância magnética também pode ser solicitada para avaliar possíveis danos ao ligamento femoropatelar medial e à cartilagem causados ​​por uma luxação traumática da patela. 

Tratamento da luxação patelar

A. 1º episódio – tratamento emergencial

Como dito anteriormente, se a patela não voltar ao lugar (reduzir) por conta própria, é necessário atendimento médico imediato para reduzir a patela. As luxações iniciais geralmente são tratadas de forma não cirúrgica com repouso, imobilização como chamado “brace” e, frequentemente, uma joelheira e muletas. 

Depois de um período de descanso, a fisioterapia geralmente é iniciada para fortalecer os músculos do joelho que ajudam a evitar que a rótula deslize para fora da ranhura.

Logo após, institui-se programa de transição e retorno ao esporte. Entretanto, existem circunstâncias em que o tratamento cirúrgico pode ser necessário. 

Em episódios de luxações patelares agudas, pode haver fragmentos de cartilagem que se soltam e ficam aprisionados no joelho. Isso é chamado de corpo solto e precisará ser fixado de volta ao seu lugar de origem quando possível ou, eventualmente, removido. Durante a cirurgia, se houver ligamentos rompidos no joelho, como o ligamento patelofemoral medial, a reconstrução do ligamento pode ser recomendada.

B. Tratamento da luxação recidivante da patela

Nos casos de luxações patelares recorrentes (a patela continua a sair de seu trilho), apesar do manejo não operatório, o paciente pode ser candidato a um procedimento cirúrgico.

Neste caso, o procedimento começa por vídeo artroscopia para avaliação da cartilagem articular, seguida de procedimento “aberto” com a reconstrução do ligamento patelofemoral medial e, em alguns casos, para realinhar a patela e colocá-la em uma posição melhor.

No período pós operatório, em geral, realiza-se fisioterapia por 04 meses, seguida de um programa de retorno ao esporte e de melhoria da qualidade de movimento para que previna novos futuros episódios de luxação da patela.

Dr. Adriano Leonardi
[email protected]

Dr. Adriano Leonardi possui 20 anos de experiência em Ortopedia. É Médico Ortopedista Especialista em Joelho; Mestre em Ortopedia e Traumatologia; Médico do Esporte; Membro da Diretoria da Sociedade Paulista de Medicina Desportiva; Colunista e Consultor dos Sites 'Eu Atleta' e 'Globo Esporte'. Agende sua Consulta: (11) 94754-9183

Não há comentários

Poste um Comentário

Olá!

Gostaria de receber uma ligação?